Comprar um imóvel é uma tarefa que exige muita atenção. Afinal, estamos tratando da aquisição de um bem de alto valor que exercerá influência direta sobre a vida do comprador e de sua família.

Por isso, é preciso ver com cuidado uma série de fatores. Dentre os mais relevantes está a necessidade de escolher entre um imóvel pronto e um imóvel na planta.

De fato, os dois tipos incluem aspectos que são mais vantajosos para uns do que para outros. Preparamos este artigo para ajudá-lo a descobrir qual é a melhor opção para o seu perfil. Confira!

O imóvel pronto

Entendemos como imóvel pronto aquele que poderá ser ocupado imediatamente ou em um curto espaço de tempo — dentro de um mês, por exemplo.

Esse tipo de imóvel apresenta como grande vantagem a possibilidade da mudança imediata, o que resolve logo a questão da moradia. Além disso, durante a escolha, dá para conferir diretamente, com base na realidade dos fatos, uma série de características importantes, como a incidência do Sol, a circulação de ar, a disposição e o tamanho dos cômodos e a qualidade da construção e dos materiais que foram usados nela.

Por outro lado, como o imóvel já está pronto e já teve toda a obra quitada, em geral, o comprador precisa concordar com condições de pagamento apertadas, que não incluem a possibilidade de parcelamento longo, que seja feito diretamente com o vendedor. Assim, quem não pode pagar à vista precisará recorrer a um banco em busca de um financiamento.

Para liberar o crédito imobiliário, as instituições financeiras fazem uma série de exigências, que incluem a regularidade da documentação do imóvel que está sendo negociado. Em outras palavras, se a documentação não estiver totalmente regularizada, o empréstimo não será concedido e o negócio não poderá ser fechado.

Ainda é preciso considerar a questão do preço, que em um imóvel pronto varia de acordo com a idade que ele tem. Portanto, devemos distinguir também entre os prontos usados e os prontos novos.

Como cada um deles apresenta características próprias, eles serão vistos separadamente a seguir:

Imóvel pronto usado

O imóvel pronto usado é aquele que já foi ocupado anteriormente por outras famílias. Nesse caso, eles podem ser seminovos, com até dois ou três anos de conclusão da obra, ou mais antigos. Alguns chegam a muitas décadas de construção.

No caso dos seminovos, há a vantagem de o imóvel apresentar características construtivas e de usos de materiais bastante próximos daquilo que está sendo utilizado na atualidade. Ao mesmo tempo, na maioria das vezes, eles não apresentam os desgastes naturais da construção que o tempo e o uso provocam.

Porém, o preço de um seminovo costuma ser bastante próximo ao dos prontos novos, que veremos adiante.

Já os imóveis mais antigos, em geral, custam mais barato do que os novos e do que os seminovos. Por outro lado, há o problema dos materiais antigos e do desgaste do imóvel, algo que, muitas vezes, implicará a necessidade de uma reforma.

Assim, além da dor de cabeça que uma reforma representa, é bem possível que o custo dela coloque por terra qualquer economia feita na compra de um imóvel usado antigo.

Imóvel pronto novo

Um imóvel pronto novo é moderno e estruturado de acordo com as tendências mais atuais de construção. Além disso, ele nunca foi ocupado, o que dá ao comprador e à família dele o gostinho especial de eles serem as primeiras pessoas que utilizarão todos os ambientes.

Porém, um imóvel novo tem o preço mais elevado do que os seminovos, os antigos e os imóveis na planta. Ao mesmo tempo, da mesma forma como ocorre com os prontos usados, ele não apresenta as condições de pagamento facilitadas pelo vendedor, que são características do imóvel na planta.

Por isso mesmo, a última opção deve merecer uma atenção muito especial por parte de quem está escolhendo um imóvel para comprar.

Imóvel na planta

Um imóvel na planta é avaliado a partir de um projeto. Ele faz parte de um empreendimento que ainda não foi começado ou que está em uma etapa inicial de construção e, por isso, não oferece a oportunidade de uma avaliação direta dos ambientes.

Porém, é exatamente essa situação que cria as condições para que esse tipo de imóvel possa ser vendido de uma forma diferenciada.

Parcelamento e preço baixo

No mercado imobiliário, esse tipo de imóvel é visto como um lançamento, o que possibilita que ele tenha preços e condições de pagamento facilitadas e o motivo disso é simples de entender: a construtora que vende o imóvel na planta passa a contar com o dinheiro do comprador para pagar o custo da construção e isso é muito interessante para que ela dê andamento à construção.

Como o custeio de uma obra é realizado aos poucos, a construtora pode receber dos compradores à medida que o processo avança. Assim, ao mesmo tempo que capta dinheiro para custear o empreendimento, a empresa cria facilidades para o comprador, aumentando as oportunidades de negócio.

Outro ponto interessante de um imóvel na planta é o preço mais baixo dos lançamentos em comparação com os imóveis prontos. Essa possibilidade existe porque as construtoras precisam criar atrativos para vender os empreendimentos.

Documentação regular

A regularidade da documentação da obra e do terreno é outro aspecto importante de um imóvel na planta. Sem essa regularidade, o empreendimento sequer poderia existir.

Isso significa que, depois que a construção terminar, quem precisar recorrer a um empréstimo para pagar o saldo devedor junto à construtora não encontrará nenhuma dificuldade para obter o financiamento bancário.

Aliás, as chances de financiamento são muito maiores para imóveis na planta e, em algumas situações, há a certeza absoluta da existência dos recursos — como no caso dos imóveis erguidos pelo Programa Minha Casa Minha Vida.

Modernidade

Outro ponto importante é a modernidade das técnicas construtivas e dos materiais que são utilizados em um empreendimento novo. Com isto, é possível que um imóvel na planta seja erguido com aquilo que há de mais moderno no setor da construção civil.

Planejamento

Um ponto que também deve ser observado com relação a um imóvel na planta é o fato de ele não servir para a moradia imediata. Porém, pelo ponto de vista do planejamento, esta condição chega a ser até uma vantagem.

Quem tem tempo para pensar na mudança pode planejar com tranquilidade o orçamento familiar. Assim, é possível equilibrá-lo de maneira suficiente para cobrir as despesas da família e o pagamento das prestações do imóvel.

Além disso, para quem compra um imóvel na planta também existe a vantagem de que as despesas extras, como cartório, compra de móveis, decoração, mudança etc., não coincidam com o pagamento de um grande valor, como ocorre com quem compra um imóvel pronto.

Por esses motivos, o imóvel na planta merece ser visto com grande atenção.

Use os comentários abaixo se você ainda tiver dúvidas sobre qual escolher. Queremos muito saber o que você está pensando e teremos grande satisfação em ajudar.