Quem procura por informações a respeito de financiamento, já deve ter ouvido sobre a regra dos 30%. Segundo ela, o valor das parcelas de qualquer modalidade de empréstimo — pode ser para um imóvel, um carro ou dar início a um negócio — não deve comprometer mais do que 30% dos rendimentos.

Por mais que haja vontade e um sentimento de que se poderia investir mais do que isso em um bem, é preciso lembrar que podem haver imprevistos ou sazonalidades.

Essas situações podem demandar, por um período, uma quantia que, somada às despesas fixas e ao financiamento, ultrapassa o valor da renda.

Para evitar ter de pagar juros e outros acréscimos, é preciso manter as finanças sob controle.

Neste post, apresentamos dicas que o ajudarão a controlar o financiamento de maneira segura e simples. Boa Leitura!

1. Controle os gastos

Se você é daqueles que mantêm todas as entradas e saídas bem controladas, está no caminho certo para não perder o controle do empréstimo.

Porém, se você faz parte do grupo que compra impulsivamente e pensa no que gastou só no fim do mês, é preciso repensar essa atitude.

Isso porque, para fazer uma boa gestão de recursos, é preciso estar de olho nos gastos diariamente e nunca ultrapassar o valor que recebe por mês. Assim, não há perigo de comprometer o financiamento e entrar em dívidas não programadas.

2. Avalie as taxas

As taxas são, basicamente, os principais mecanismos usados pelas agências de crédito para obter lucro. Por isso, vale a pena fazer uma busca para descobrir aquelas que oferecem as melhores condições.

Elas são conseguidas pelas empresas que gerenciam melhor suas atividades. Isso é possível porque elas evitam desperdícios, selecionam os melhores clientes e são justas nos percentuais que aplicam como juros.

3. Sempre negocie

Com ou sem dinheiro, sempre é possível negociar. Quando fizer uma simulação de financiamento, por exemplo, veja prazos, juros, entrada, tipo de tabela (SAC ou PRICE) — que são os sistemas de amortização utilizados pelas agências de crédito — e outros.

É muito importante anotar todos os valores e atentar-se a cada vírgula. Em um financiamento imobiliário, por exemplo, uma diferença de 0,01% na taxa de juros soma, em 10 anos, mais de R$ 10 mil, se for um bem de R$ 300 mil com juros de 1% ao mês.

4. Corte gastos desnecessários

Há várias formas de economizar, de prolongar a vida útil do dinheiro e de não entrar no vermelho. Porém, a conta mais simples a fazer é: os rendimentos menos os gastos têm de ser obrigatoriamente maior que zero.

Isso só se torna realidade quando, de fato, deixa-se de gastar com supérfluos e passa-se a pensar em economizar. Isso não exclui, por exemplo, a cerveja do happy hour ou outra forma de lazer.

O que se espera é que os gastos que não são necessariamente vitais não comprometam as receitas a ponto de deixar a conta negativa.

Outra abordagem interessante é pegar o salário e dividir em três partes. Uma para despesas fixas, outra para uma reserva de emergência e a última (e menor) destinada a gastos esporádicos ou com lazer.

5. Comece a economizar

Pode parecer trabalhoso pesquisar quem vende mais barato, mas existem sites que auxiliam nessa busca. Em alguns estados, por exemplo, com base no preço da nota fiscal de compra de outros consumidores, é possível saber onde o produto está em oferta. Aos poucos, as pequenas economias terão um valor significativo no orçamento.

6. Utilize aplicativos

Em uma pesquisa rápida no Google Play ou na App Store é possível encontrar centenas de aplicativos bem avaliados desenvolvidos especialmente para controlar as finanças.

No geral, eles são amigáveis e gratuitos, o que os torna bons aliados no controle de gastos para não comprometer o financiamento. Confira algumas opções!

Finance

É um dos primeiros a aparecer nas buscas. Tem abas de despesas e receitas para facilitar o controle e todos os dados inseridos devem estar acompanhados de valor, data e descrição para que ele calcule instantaneamente o saldo. Além disso, ele tem gráficos de consumo, o que melhora consideravelmente a leitura dos dados.

Minhas Economias

A grande vantagem desse app é a possibilidade de sincronizar as informações do smartphone com um banco de dados on-line. Assim, podem-se acessar as informações a partir de um computador quando não estiver com o celular.

Além disso, ele tem várias categorias de despesas e receitas, interface amigável e a possibilidade de controlar o valor que se tem na carteira, bem como nas contas bancárias.

Guia Bolso

Entre outras funcionalidades, pega informações do banco para fazer o gerenciamento das contas. Assim, as compras feitas com cartões são inseridas automaticamente, o que dispensa a tarefa de inserir dados. Ele tem um sistema moderno para proteger as informações do usuário.

Finanças Pessoais

Apesar do nome simples, o app cumpre o que promete. Nele, é possível inserir as contas — pode ser de mais de um banco — e informar as operações que faz diariamente, bem como colocar informações de investimentos ou gastos com compras parceladas. Bem simples de usar, tem várias categorias pré-programadas para facilitar a vida do usuário.

Jimbo Mobile

Exclusivo para usuários de sistema Android, esse app foi desenvolvido pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Seu principal diferencial é a possibilidade de transferir as informações para o e-mail ou para outros dispositivos com entrada USB.

7. Controle o capital

De forma geral, controlar o financiamento não é difícil, especialmente quando se tem em mãos as ferramentas adequadas. Nesse contexto, o controle do capital deve estar sempre registrado, para não se correr o risco de entrar no vermelho, ter ainda mais despesas e arriscar se perder nas contas — ou, pior, perder o bem financiado.

Por isso, a palavra de ordem é a autodisciplina. É ela que vai ajudar a não se esquecer de registrar despesas ou receitas no aplicativo escolhido e se policiar para não gastar mais do que ganha.

Saber negociar, economizar e olhar atentamente as taxas também é essencial para fazer o controle correto dos gastos.

Gostou dessas dicas de como controlar o financiamento enquanto cuida dos gastos? Então, deixe sua opinião ou sugestão sobre esse assunto nos comentários!