Não é difícil de encontrar quem tenha como um dos grandes objetivos de vida adquirir um imóvel próprio para sair do aluguel ou, até mesmo, comprar uma moradia melhor. Porém, a maioria das pessoas não tem como pagar à vista por casas, apartamentos ou terrenos. Então, o financiamento imobiliário da Caixa Econômica Federal surge como uma das principais opções para realizar o projeto.

Entenda agora como funciona o financiamento da Caixa e os detalhes que você precisa conhecer antes de solicitá-lo.

Como funciona o financiamento imobiliário da Caixa Econômica Federal?

Por meio dessa linha de crédito específica, o banco concede financiamento para pessoas físicas atingirem os seguintes objetivos:

  • comprar um imóvel novo ou usado;

  • comprar um terreno;

  • construir uma casa em terreno anteriormente adquirido;

  • adquirir outros imóveis, quando a pessoa já possui um ou mais.

Para solicitar o financiamento, primeiramente o comprador tem de passar pela análise de crédito da Caixa. O processo serve para que a instituição tenha a comprovação de renda por parte do comprador por meio da análise de mais informações e para que fique segura quanto à capacidade do financiado de arcar com os pagamentos.

No caso de não aprovação, um novo financiamento pode ser simulado e solicitado posteriormente. O tempo de espera depende do motivo da reprovação anterior.

Por exemplo, se a pessoa não consegue a aprovação por estar negativada, ela pode tentar novamente após regularizar as dívidas. Contudo, se esse não for o caso, mas tiver um histórico ruim ou baixo score de crédito, provavelmente terá de esperar mais tempo para apresentar-se com uma pontuação melhor de consumidor.

Depois disso, com a aprovação do comprador, profissionais de engenharia da própria Caixa fazem a avaliação do bem pretendido para analisar se o valor necessário, pedido para o projeto, condiz com a realidade. Também são feitas outras avaliações em relação à segurança da compra, como em laudos técnicos e revisão de documentação.

Então, não havendo nenhum problema nas etapas anteriores, o contrato de financiamento é assinado e a sua liberação é feita dentro de alguns dias. Contudo, pode ocorrer ainda de o pedido ser aprovado, mas a Caixa, por algum problema no imóvel ou em sua documentação, reprová-lo. Então, a pessoa pode tentar novamente conseguir a aprovação da operação para a compra de outro bem.

Como solicitar o financiamento imobiliário da Caixa Econômica Federal?

A forma mais tradicional de fazer a simulação e o pedido é nas agências da Caixa. Pela internet, já há alguns anos, também é possível simular o financiamento e fazer a solicitação, mas, para finalizar o processo, será igualmente necessário comparecer à uma agência.

Outra maneira de fazer a solicitação, que se mostra a mais fácil de todas, é diretamente em uma incorporadora ou construtora que financie os bens que vende pela Caixa. Nesse caso, os profissionais da empresa encarregam-se dos procedimentos e da burocracia, apenas solicitando a presença do comprador quando necessário, como para assinaturas.

Quais são as taxas e condições do financiamento?

Quantos aos juros, não é possível dizer exatamente quais são para as operações porque em cada financiamento eles são diferentes. Porém, pode-se usar o número de aproximadamente 10,8% de juros ao ano mais Taxa Referencial — estando entre as porcentagens mais baixas do país.

Por exemplo, na aquisição de um imóvel de R$ 150 mil pelo programa Minha Casa Minha Vida a taxa será uma, enquanto que em um financiamento de outro fora do programa no valor de R$ 500 mil ela será maior.

Tudo depende de quanto é o valor concedido e de qual é a renda do financiado, pois um financiamento maior deve gerar remuneração maior ao banco — que é mais facilmente paga por quem tem mais poder aquisitivo.

Seja qual for o valor do imóvel e a taxa de juros do seu financiamento, o prazo máximo para o pagamento é de 35 anos, ou 420 parcelas, e o valor financiado pode ser de até 80% da compra. A exceção fica por conta do programa Minha Casa Minha Vida, que permite o parcelamento de 100% da propriedade.

Além dos juros, quais outras despesas existem no financiamento?

Custos necessários à aquisição do bem e ao andamento da operação de crédito são de responsabilidade do comprador. São eles:

  • tarifa de serviços administrativos da Caixa, como a avaliação imobiliária;

  • valor de transferência da titularidade do imóvel — o laudêmio;

  • valor para registro do contrato;

  • Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), que é cobrado pelo município e é diferente do laudêmio, girando em torno de 2% nas cidades do país.

Como usar o FGTS no financiamento de imóveis da Caixa?

Seja qual for o valor, o Fundo de Garantia que o comprador tem depositado pode ser usado para ajudar no seu financiamento. Por exemplo, se ele não tiver dinheiro para dar entrada no imóvel e pagar os 20% que o parcelamento não cobre, pode usar seu FGTS para abater valor, e ainda mais se houver sobras, ou parte dele.

Posteriormente à compra, em outra hipótese, o financiado também pode usar seu FGTS para pagar parcelas futuras e quitar o financiamento ou, pelo menos, amortizar parte dele antecipadamente.

Como facilitar a aprovação?

A aprovação e todo o processo de condução e finalização do financiamento dependem de uma série de fatores e regras internas da Caixa. Alguns desses fatores passam muito longe da responsabilidade das pessoas financiadas e elas não conseguem exercer influência nenhuma sobre eles.

Porém, há outros fatores mais dependentes dos candidatos que, a partir das 3 dicas a seguir, podem facilitar suas aprovações.

Fazer um planejamento financeiro

O planejamento financeiro serve para pagar as mensalidades e dar a entrada, sem sofrimento ou aperto nas contas, e também para que a escolha do imóvel seja a mais adequada diante da realidade do comprador.

A Caixa não permite que um financiado pague uma parcela que ultrapasse 30% de sua renda mensal e nem sempre concede o financiamento de 100%. Logo, é preciso ter cuidado no pedido para enquadrar-se em tais regras e não causar uma reprovação.

Aliar rendas

A Caixa permite que duas rendas formem a responsabilidade pelo pagamento de um só financiamento para pessoas casadas, noivas ou em união estável.

Logo, se apenas uma das pessoas do casal não conseguir apresentar renda para comprar o bem desejado, e também não tiver uma quantidade de FGTS que ajuda, o ganho de ambos pode ser unificado na operação. Isso permite também que seus Fundos de Garantia sejam utilizados conjuntamente para uma entrada ou amortização.

Ter conta na Caixa e Cadastro Positivo aberto no Serasa

Bancos tradicionalmente proporcionam seus produtos mais facilmente a quem já é cliente por haver um relacionamento prévio. Portanto, é bom ter uma conta na Caixa e também movimentá-la com a maior frequência possível.

Outra ação que pode ajudar em muito, até mesmo ser decisiva, é abrir um Cadastro Positivo no Serasa ou atualizá-lo se já existir. Isso conta pontos para o histórico e para o score de crédito do financiado, facilitando a liberação da operação para ele.

Você já pensou em utilizar o financiamento imobiliário da Caixa Econômica Federal? Tem mais alguma dúvida sobre ele? Deixe seu comentário ou sua pergunta abaixo para podermos ajudar.

 

Sonho da casa própria 2019Powered by Rock Convert