O Minha Casa Minha Vida é um dos programas de facilitação do acesso ao financiamento de imóveis de maior sucesso em todo o mundo. Desde 2009, várias famílias aproveitam os subsídios do Governo Federal para conseguir, enfim, realizar o sonho da casa própria.

Tendo passado por alguns ajustes desde sua criação, o Minha Casa Minha Vida sofrerá, em 2019, novas mudanças. Você sabe quais são elas e como elas podem afetar o seu financiamento da casa própria? Confira neste artigo o que muda no programa em 2019!

Quem tem direito ao Minha Casa Minha Vida?

O Minha Casa Minha Vida é um programa de financiamento que trabalha com a contemplação de faixas de renda familiar. Dessa forma, os subsídios, o prazo e o valor das parcelas podem variar em até 4 faixas:

  • Faixa 1 (renda mensal de até R$1.800,00) — Financiamento de até 120 meses e com prestações entre R$80,00 e R$270,00;
  • Faixa 1,5 (renda mensal de até R$2.600,00) — Taxa de juros de 5% ao ano, 30 anos para pagar e subsídios de até R$47.500;
  • Faixa 2 (renda mensal de até R$4.000,00) — Financiamento de até 30 anos e subsídios de até R$29.000;
  • Faixa 3 (renda mensal de até R$9.000,00) — Financiamento de até 30 anos e taxas de juros diferenciadas.

Qual é a documentação necessária?

Como não poderia deixar de ser, a solicitação de inclusão no programa Minha Casa Minha Vida depende de uma avaliação da documentação. Esse processo é feito pela Caixa Econômica Federal. A Caixa exige apenas a apresentação de um documento oficial com foto e o comprovante de renda para encaixar você nas faixas de financiamento.

Você pode entregar a documentação em um Correspondente Caixa Aqui ou na agência da Caixa mais próxima.

O que muda em 2019?

O ano de 2019 trouxe algumas mudanças no programa Minha Casa Minha Vida. Após sofrer com riscos de ser reduzido nos últimos anos, o programa ganha fôlego e será expandido.

As faixas de renda foram ampliadas. Basicamente, a Faixa 1,5 teve seu limite aumentado de R$2.350,00 para R$2.600,00 de renda mensal familiar. A Faixa 2, por sua vez, passou de R$3.600,00 para R$4.000,00. Por fim, a Faixa 3 sofreu a maior expansão, indo de R$6.500,00 para R$9.000,00 de renda familiar mensal.

A possibilidade de uso do FGTS para adquirir o imóvel também sofreu algumas alterações, de modo que o valor do teto foi ampliado, sofrendo algumas alterações por localidade. No Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro, esse teto foi de R$225.000 para R$240.000. Já nas capitais do Norte e do Nordeste, o teto foi ampliado de R$170.000 para R$180.000.

Basicamente, essas mudanças visam ampliar as possibilidades de uso do FGTS para que seja possível adquirir imóveis mais caros, sendo que o limite passa de R$950.000 para R$1,5 milhão em todo o território nacional.

A ideia é movimentar o setor e criar um efeito cascata, aquecendo a economia brasileira. O Banco Central estima que, nos próximos seis anos, as novas regras adicionarão mais de R$80 bilhões para o financiamento da casa própria.

Você pretende adquirir o seu imóvel em 2019? O que achou das mudanças do Minha Casa Minha Vida? Tem alguma dúvida sobre o programa? Conte para a gente nos comentários abaixo!

Sonho da casa própria 2019Powered by Rock Convert